Convento da Arrábida


 




 
 

imagem Convento/Fundação Oriente
     
 
Frei Agostinho da Cruz
 
 

(1540-1619)

foto Fundação Oriente


  Frei Agostinho da Cruz (cujo nome secular era Agostinho Pimenta), nasceu em Ponte da Barca, Alto Minho, e faleceu em Setúbal.
Foi educado nos Paços do infante D. Duarte - onde contactou com o 3º' Duque de Aveiro e seu filho, o Duque de Torres Novas - e era irmão do literado Diogo Bernardes, que acompanhou D. Sebastião a Alcácer Quibir para escrever a epopeia da vitória que o jovem rei fantasiava. Tomou o hábito de S. Francisco a 3 de Maio de 1560, incorporando-se depois na ordem arrábida. O noviciado passou-o na serra de Sintra, no Convento de Santa Cruz, de que tomou o nome. Foi mais tarde guardião do convento de Ribamar, cargo a que renunciou, pedindo para passar para o Convento da Arrábida onde viveu até aos 76 anos, quase 20 anos, de início numa miserável cabana que fizera com as suas próprias mãos e, mais tarde, numa pequena edificação que lhe mandara construir o Duque D. Álvaro: «Não havia commodo na serra para o servo de Deos viver solitario; a cella em que S. Pedro de Alcantara tinha vivido, estava nella o Veneravel Fr. Diogo dos Innocentes. Por esta razão fiado no favor do Duque lhe pediu Fr. Agostinho quizesse Sua Excellencia mandar-lhe fazer uma pequena e pobre caza para nella se abrigar do ardor do sol e do frio do Inverno. Prometeu-lhe o Duque, que sim. Como o Duque se não lembrou logo da promessa, foi o servo de Deos obrigado a fazer entretanto huma pequena choupana tecida dos ramos dás arvores da serra, os quaes mesmo cortou com suas mãos. Nella passou quasi seis meses. Só mais tarde, o Duque foi pessoalmente vizita-lo e pedir-lhe que escolhesse logo, à Sua vista, o terreno para a sua casa,, que era em uma pequena distância da Senhora da Memória.. Começou a caza e como era pouca a fabrica, acabou-se com brevidade.» Recordá-lo é vê-lo cultivar o seu pequeno jardim e horta, fazer os seus trabalhos de madeira e com flores, dar de comer às aves que vinham pousar na sua mão e ouvi-lo conversar consigo, com Deus, com a Virgem, com a natureza e ainda com a sua querida serra da Arrábida, em gritos e queixas de paixão como nos revela a sua maravilhosa poesia, simbolizada na Elegía II da Arrábida.

 

Elegia II

(Da Arrábida)

Alta Serra deserta, donde vejo
As águas do Oceano duma banda,
E doutra já salgadas as do Tejo:

Aquela saüdade que me manda
Lágrimas derramar em toda a parte,
Frei Agostinho por Henri Delpeut
Que fará nesta saüdosa, e branda?

Daqui mais saüdoso o sol se parte;
Daqui muito mais claro, mais dourado,
Pelos montes, nascendo, se reparte.

Aqui sôbolo mar dependurado
Um penedo sobre outro me ameaça
Das importunas ondas solapado.

Duvido poder ser que se desfaça
Com água clara, e branda a pedra dura
Com quem assim se beija, assim se abraça.

Mas ouço queixar dentro a Lapa escura,
Roídas as entranhas aparecem
Daquela rouca voz, que lá murmura.

Eis por cima da rocha áspera descem
Os troncos meio secos encurvados,
Eis sobem os que neles enverdecem.

Os olhos meus dali dependurados,
Pergunto ao mar, às plantas, aos penedos
Como, quando, por quem foram criados?

Respondem-me em segredo mil segredos,
Cujas primeiras letras vou cortando
Nos pés doutros mais verdes arvoredos.

Assim com cousas mudas conversando,
Com mais quietação delas aprendo
Que outras que há, ensinar querem falando.

Se pelejo, se grito, se contendo
Com armas, com razão, com argumentos,
Elas só com calar ficam vencendo.

Ferido de tamanhos sentimentos
Fico fora de mim, fico corrido
De ver sobre que fiz meus fundamentos.

Ali me chamo cego, ali perdido,
Ali por tantos nomes me nomeio,
Quantos por culpas tenho merecido.

Ali gemo, e suspiro, ali pranteio;
Ali geme, e suspira, ali pranteia
O monte, e vai de meus suspiros cheio.

Ali me faz pasmar, ali me enleia
Quanto colhendo estou da saüdade,
Que por toda esta terra se semeia.

Ora me ponho a rir da vaïdade,
Ora triste a chorar com quanto estudo
Erros solicitei da mocidade.

Tudo se muda enfim, muda-se tudo,
Tudo vejo mudar cada momento:
Eu de mal em pior também me mudo.

Soía levantar meu pensamento
Assentado sobre estas penedias
Duras, eu duro mais nelas me assento.

Punha-me a ver correr as águas frias
Por cima de alvos seixos repartidas,
Que faziam tremer ervas sombrias.

As flores, que levava já colhidas,
Passando pelos vales enjeitava
Por outras doutra nova cor vestidas.

O livre passarinho, que voava,
Cantando para o céu deixando a terra,
Da terra para o céu me encaminhava.

Cuidei que se esquecesse nesta Serra
A dura imiga minha natureza;
Mas donde quer que vou lá me faz guerra.

Oh! quem vira naquela fortaleza
Rodeada de fogo de amor puro,
Daquele amor divino esta alma acesa!

Quão firme, e quão quieto, e quão seguro
No campo se pusera em desafio!
E quão brando sentira o ferro duro!

Mas se agora de mim me não confio,
Se fujo, se me escondo, se me temo,
É porque sinto fraco o peito frio.

Alevantam-se os mares; e pasmo, e tremo:
Vejo vento contrário, desfaleço,
A corrente das mãos me leva o remo.

Confesso minha culpa, bem conheço
Que por mais graves males que padeça
Menos padecerei do que mereço.

Mandais, Senhor, que busque, bata, e peça,
Eu busco, bato, e peço a vós, Senhor,
Sem haver cousa em mim que vos mereça.

Com os braços na Cruz, meu Redentor,
Abertos me esperai, co lado aberto,
Manifestos sinais do vosso amor.

Ah! quem chegasse um dia de mais perto
A ver cos olhos de alma essa ferida,
Que esse coração mostra descoberto!

Esse, que por salvar gente perdida
De tanta piedade quis usar,
Que deu nas suas mãos a própria vida.

A sangue nos quisestes resgatar
De tão cruel, e duro cativeiro,
Vendido fostes vós por nos comprar.

Padecestes por nós, manso Cordeiro,
Pisado, preso, e nu entre ladrões,
Ardendo o fogo posto no madeiro:
Arçam postos no fogo os corações.


Teófilo Braga afirmou que o lirismo de Frei Agostinho da Cruz «distingue-se por um exaltado fervor místico, não tão simples como o de São João da Cruz ou de Frei Luís de Leão mas ainda assim admirável como expressão sincera de uma alma no meio do falso formalismo cultural imposto pelos jesuítas e como desabafo na intolerância feroz do Santo Ofício. Em 1619 «a morte recebeu-o nos braços meiga, risonha e solícita como um anjo de redenção». O povo, «numa piedosa lenda» contava que quando lhe reproduziram a máscara com gesso, depois de morto, sorria alegremente, concluindo que não era «só um bom padre mas um inspirado e um santo.» Cumprindo o seu desejo de «nunca se afastar da amada serra», D. Álvaro determinou que ficasse sepultado no convento que durante tantos anos habitara. Recordar Frei Agostinho da Cruz é reviver ainda, por este motivo, a «cena fantástica da transladação do seu cadáver, após a morte num hospital de Setúbal, dali até à serra, por mar, numa lista recoberta de tapetes e flores nalguma destas tardes milagrosas em que a baía enorme, unido o céu e a terra, rasga o pórtico azul do paraíso. O guardião Frei José da Esperança transformou a cela de Frei Agostinho da Cruz numa ermida dedicada a Santo António a qual, mais tarde, devido ao tempo e ao abandono, entrou em ruína.


Da Oração

Doce quietação de quem vos ama,
Em serviços, Senhor, que tanto quanto
Amado sois, tão longe o fim de tanto,
Subindo mais, e mais, mais se derrama:

Ardendo por arder em viva chama
De amor do vosso amor, a voz levanto;
Sinto, suspiro, choro, colho, e planto
Ao som doutra suave que me chama.

Onde se vai, Senhor, quem vos ofende?
Donde levais, Deus meu, a quem vos segue?
Onde fugir se pode uma de duas?

Morto por quem o mata que pretende,
Ou que extremos de amor há que nos negue
Quem culpas nossas chama ofensas suas?

 
 

 

 




Contactos

Convento da Arrábida
Apartado 28 - 2925 Azeitão
Tel.: (351) 212 180 520
Fax: (351) 212 182 020
E-mail: arrabida@foriente.pt

Os contactos para marcação de visitas devem ser feitos directamente para o convento.

| Horário de visitas |
de quarta-feira a domingo das 15:00 às 16:00


©  Bernardo Costa Ramos - www.azeitao.net

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 PUBLICITE neste site!

Este site foi compilado com optimização para uso com o Internet Explorer 4 ou superior. Embora funcione noutros browsers (por exemplo, Netscape), muitas das funções não terão pleno funcionamento, podendo igualmente existir configurações distorcidas.

 :: © 1999/2007 - Bernardo Costa Ramos  :: www.azeitao.net  ::  Azeitão, uma região a descobrir! ™ ::

Visite ainda: www.saboresdeazeitao.com  ::  www.bacalhoa.eu :: www.troiaresort.com

Declaração de exoneração de responsabilidade :: Sobre o sítio/site www.azeitao.net