Azeitão, uma região a descobrir!

instrumento em pedra, piriforme-cordiforme

 

Paleolítico médio 

em Galapos 

   
 

esta página faz parte do site www.azeitao.net

    www.azeitao.net 

 

ARQUEOLOGIA da Arrábida

 
Monumento funerário da Roça do Casal do Meio
     
Taça campaniforme dos finais da Idade do Cobre

transcrição de um folheto do Parque Natural da Arrábida, Arqueologia da Arrábida, 1979

Mapa Geral das estações arqueológicas

Os mais antigos indícios da presença do Homem na Arrábida remontam ao Paleolítico Inferior (há cerca de 400 000/200 000 anos). No depósito quaternário que se pode observar à entrada da lapa de Santa Margarida (Portinho da Arrábida), G. Zbyszewski recolheu alguns artefactos que fossilizaram o gesto dos primeiros seres humanos que aí habitaram. imagem 1

No conglomerado de base da Lapa de Santa Margarida encontrou-se este robusto instrumento em pedra, piriforme - cordiforme, cujas arestas, vivas e cortantes, produzidas pelos recolectores - caçadores paleolíticos, foram suavizadas pelas vagas e pela vento. imagem 2

Os vestígios pré-históricos mais abundantes são atribuíveis à Idade do Cobre de que estamos afastados por cerca de 4500 anos. Nesse período praticava-se a agricultura, a criação de gado e a metalurgia do cobre. Como resultado do desenvolvimento das forças produtivas e da divisão social do trabalho acumulam-se excedentes, a densidade populacional aumenta e surgem as primeiras manifestações de guerra. Os povoados, em número elevado, implantam-se em colinas altas com boas condições naturais de defesa que, dominando vales férteis, se estendem para Norte do núcleo central da serra e morrem na planície aluvial plio-pleistocénica do Tejo. A elevação de S. Luís comporta-se como o epicentro desta ocupação. Rotura, Pedrão, Chibanes, Moinho da Fonte do Sol e Malhadas são alguns desses povoados. imagem 3

A estratigrafia de uma estação arqueológica comporta-se como o calendário da vida que nela se processou, permitindo ordenar historicamente os acontecimentos, com expressão material, ocorridos no local. A Rotura, infelizmente muito destruída por uma pedreira, foi objecto de escavações arqueológicas desde o século passado. A sua sucessão estratigráfica, dada a conhecer pelas escavações de Carlos Tavares da Silva, é ainda hoje a mais completa para a Idade do Cobre da Estremadura portuguesa. imagem 4

No sopé dos contrafortes da Arrábida (Quinta do Anjo) foram abertos quatro hipogeus ou grutas artificiais, na fase de transição do Neolítico para a Idade do Cobre. Estas sepulturas colectivas tiveram uma utilização muito intensa durante o Horizonte Campaniforme (última fase da Idade do Cobre), certamente por populações que habitavam elevações situadas nas proximidades: Chibanes, Malhadas, Moinho da Fonte do Sol. imagem 5

O monumento funerário da Roça do Casal do Meio (Calhariz), escavado por K. Spindier e 0. da Veiga Ferreira, tem cerca de 2800 anos e é, até este momento, o único testemunho do final da Idade do Bronze encontrado na Arrábida.

Enquanto os hipogeus da Quinta do Anjo eram sepulturas colectivas, o monumento da Roça do Casal do Meio, foi construído para receber apenas um indivíduo. Este documento arqueológico parece corresponder na região da Arrábida aos alvores de uma formação social caracterizada pela crescente organização de uma classe dirigente. imagem 6

Os povoados da Idade do Ferro identificados pertencem ao final deste período (Chibanes e Pedrão). O melhor conhecido -Pedrão-, habitado anteriormente por populações pré-históricas (Idade do Cobre), foi objecto de escavações efectuadas por Joaquina Soares e Carlos Tavares da Silva. Estes autores identificaram uma ocupação dos sécs. 11-1 a. C. que designaram por proto-romana e puseram a descoberto um amuralhado em arco de círculo e casas de planta rectangular dispostas ao longo do amuralhado. As paredes das casas eram constituídas por uma base de pedra seca com cerca de 0,40 m de altura sobre a qual assentava adobe ou taipa. imagem 7

Os materiais exumados testemunham a prática da agricultura, da caça e da recolecção. A guerra e o comércio estão igualmente documentados através de pontas de lança e de moedas republicanas e hispânicas. O poder de compra da população do Pedrão reflecte-se ainda na abundante cerâmica fina de importação (campaniense). imagem 8

A colonização romana deixou abundantes testemunhos nas margens do estuário do Sado. Esta ocupação dirigiu-se preferencialmente para zonas planas. A exploração industrial dos recursos marinhos foi a actividade que parece ter desempenhado maior importância.

Tróia de Setúbal é o exemplo mais significativo dessa forma de ocupação. Na área do Parque Natural da Arrábida, o Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal iniciou escavações na jazida romana da Comenda, ameaçada pela acção erosiva do rio. Este estabelecimento romano, revelou já a existência de estruturas de um balneário e de tanques de salga de peixe (cetárias). Encontraram-se também elementos de um mosaico e material em vidro e cerâmica que situam cronologicamente a estação entre os sécs. I e V d. C. imagem 9

Mapa Geral das estações arqueológicas


 

 © Todos os direitos reservados

 

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 PUBLICITE neste site!

Este site foi compilado com optimização para uso com o Internet Explorer 4 ou superior. Embora funcione noutros browsers (por exemplo, Netscape), muitas das funções não terão pleno funcionamento, podendo igualmente existir configurações distorcidas.

 :: © 1999/2007 - Bernardo Costa Ramos  :: www.azeitao.net  ::  Azeitão, uma região a descobrir! ™ ::

Visite ainda: www.saboresdeazeitao.com  ::  www.bacalhoa.eu :: www.troiaresort.com

Declaração de exoneração de responsabilidade :: Sobre o sítio/site www.azeitao.net